Sobre o SIMPMEDTROP

Doença de Chagas, leishmaniose, filariose, malária. Juntas, essas e outras doenças tropicais negligenciadas são responsáveis por 500 mil a 1 milhão de óbitos anualmente e representam um problema global de saúde pública. Além dos altos índices de morbimortalidade, essas doenças apresentam importantes aspectos socioculturais e político-econômicos que muitas vezes tangem questões delicadas como iniquidade social e globalização.

Apesar de toda a problemática envolvida, menos de 5% do financiamento mundial de inovação para doenças negligenciadas foram investidos no grupo das doenças extremamente negligenciadas, como a doença do sono, leishmaniose visceral e doença de Chagas.

Embora o Brasil exerça papel de proeminência no tocante a estudos em Medicina Tropical, poucos são os eventos de caráter regional que atualmente contribuem significativamente com a disseminação da informação científica acerca das doenças tropicais negligenciadas.

Em face à responsabilidade social e necessidade de democratização do conhecimento científico, o I Simpósio de Medicina Tropical e Doenças Negligenciadas configura-se como um evento interinstitucional de divulgação científica e educação que busca a consolidação, multiplicação e encorajamento dos espaços de diálogo e estudo entre estudantes e pesquisadores em Medicina Tropical.

Durante os dois dias de atividades, serão oferecidas conferências, colóquios e apresentações de trabalhos orais, culminando em uma intensa troca de informações a respeito dos novos padrões de ocorrência dessas enfermidades, interação entre os agentes e o ambiente e da vulnerabilidade populacional.